A fortaleza da mente.

Fortaleza mental

A fortaleza existente em nossa mente é construída de verdades ou mentiras, podendo nos abrigar ou derrotar. Por isso, a renovação da mente é algo possível e também recomendado (Romanos 12.2). Quando entendemos as dimensões de influência de nossa mente, valorizamos esta orientação de forma diferente. Pois, é a partir dos depósitos que temos nela que tomamos decisões e de lá procedem nossas reações. Nos textos bíblicos mente e coração muitas vezes são sinônimos, podendo ser substituídos sem prejuízo de interpretação. Portanto, guardar o coração e a mente de pensamentos destrutivos e contrários ao que a palavra estabelece é sinal de sabedoria.

Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida.” Provérbios 4:23

A renovação da mente mencionada em Romanos 12, se dá quando a palavra de Deus desaloja as mentiras que abrigamos. Estes sofismas e padrões de comportamento herdados ou adquiridos oferecem oposição aos projetos de Deus conosco. Eles são os verdadeiros inimigos que precisamos derrotar tanto para nosso progresso pessoal, quanto nas batalhas que travamos por outros. Não por acaso, as escrituras abordam o tema de que lutamos contra um reino invisível e não contra pessoas ou circunstâncias. As armas de nossa milícia não são carnais, mas são poderosas para subjugar argumentos.

Porque, embora andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas, anulando nós sofismas e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo.” 2 Coríntios 10:3-5

Identificando a fortaleza

Uma fortaleza é tudo aquilo no que nos apoiamos, que não seja Deus. É uma definição ampla, mas verdadeira. Ela é o esconderijo no qual nos refugiamos, criada por pensamentos, podendo abrigar demônios. São padrões incorretos de pensamento que conferem poder ao inimigo, transformando-se em seu lugar de refúgio. Tais padrões nem sempre negam a existência de Deus, mas opõem-se ao conhecimento de Deus. Ou seja, ao analisarmos um problema sem esperança de encontrar uma solução redentiva, anulamos o conhecimento do que Deus pode fazer. Portanto, abrigar um padrão de pensamento que contraria o conhecimento de Deus é o mesmo que duvidar de Sua capacidade de solucioná-lo.

Não é incomum perdermos horas de sono, ou ocuparmos nossa mente com problemas para os quais buscamos solução. Este exercício instintivo da mente é o que a bíblia chama de meditar. Inegavelmente, é legítimo que avaliemos fatos diversos ao longo do dia. Contudo, temos que exercer poder sobre estes pensamentos; subjugando-os e conformando-os ao que a bíblia nos revela do caráter de Deus. Isto é, quanto mais nossa mente estiver cheia do conhecimento de quem Deus é, tanto mais vitoriosos seremos. Pois, a verdadeira batalha se trava em nossa mente; bem como, na mente daqueles por quem oramos, desejando que sejam salvos.

Por consequência disso, ao atacarmos uma circunstância ou comportamento, sem discernir sua origem, miramos no ponto errado. Temos que antes de tudo buscar a mente de Cristo para aquela situação. Através de Seus olhos vemos com clareza e nos fortalecemos para guerrear. Porque não existe nenhuma batalha ou desafio grande demais que Ele não possa vencer através de nós. As mentiras nas quais nos apoiamos nos enfraquecem, desviando-nos do centro de Sua vontade. Teremos lutas e passaremos por provações, mas a mente renovada nos protege de desgastes desnecessários.

Confiança no Senhor

O elemento da confiança é o que está em jogo quando nos debatemos em meio a pensamentos de derrota. Ou seja, Deus sempre lida com nosso coração porque nele ficam abrigados a confiança ou desconfiança. Portanto, podemos acreditar ou duvidar da capacidade de livramento de Deus para nossas circunstâncias. O medo sempre atrairá a informação necessária para legitimar sua existência, assim como acontece com a inveja e o ressentimento. Por isso, quando classificamos uma disfunção com um nome virtuoso, permitimos que ela se instale. Mascarar o que sentimos, legitimando nossos motivos errados contribui para o fortalecimento dos enganos.

O conhecimento ensoberbece e quando é desprovido da graça, que nos conecta à pessoa de Jesus, pode nos destruir. A letra mata, por isso, precisamos que o Espírito vivifique os depósitos de conhecimento que possuímos. É este tipo de conhecimento que invade as fortalezas de engano e destrona os valentes que nela se abrigam. Salomão mencionou a capacidade que a sabedoria tem de remover os enganos, destruindo o inimigo que nos aprisiona. Um aspecto está conectado ao outro, pois não é possível vencer batalhas com uma mente de derrota. De maneira idêntica, não conseguimos identificar as fortalezas enquanto somos prisioneiros delas.

“O sábio escala a cidade dos valentes e derriba a fortaleza em que ela confia.” Provérbios 21:22

Lidando com a fortaleza

“O Senhor é bom, é fortaleza no dia da angústia e conhece os que nele se refugiam.” Naum 1:7

Assim como as mentiras que abrigamos formam fortalezas e alimentam sofismas, nosso Deus é uma fortaleza. Trata-se, portanto, de aumentar nosso conhecimento de quem Ele é para que nossa fortaleza seja Ele e não um lugar de habitação de demônios. O nome de Jesus é o refúgio positivo, onde podemos habitar. Existe um poder demoníaco sustentando toda mentira contra o conhecimento de Deus. Por isso, nossa vitória precisa ser conquistada em outra esfera antes de manifestar-se nesta ordem de coisas. Pois, quando temos vitória pessoal em alguma área, temos autoridade para orar a partir deste lugar e liberar vitória para os que nos cercam.

O louvor é uma importante arma de guerra e nos conecta com a realidade eterna. Nossa tendência natural é a de olhar para o que é visível. Com facilidade nosso olhar é desprovido de esperança e culpamos o caráter de alguém pelos danos que nos causou ou pela situação em que se encontra. Ao fazermos isso, rotulamos e categorizamos a pessoa, considerando que Deus não tem poder de atuar e mudar aquela circunstância. Não é nossa teologia que está errada e sim nosso estilo de vida baseado nos pensamentos errados que abrigamos. Um padrão de pensamentos não é modificado até que consigamos enxergar a situação sob a ótica de Jesus. Deus é sempre bom, e é uma fortaleza para os que nEle confiam.

“Oh! Provai e vede que o Senhor é bom; bem-aventurado o homem que nele se refugia.” Salmos 34:8

share

Publicações Recomendadas